Data da notícia:09/01/2017
Tradicionalismo e sociedade
Clique na imagem para ampliar

Tradicionalismo e sociedade: Prendado do MTG-SC e de CTG chapecoense se unem em prol da solidariedade

No dia 15 de dezembro de 2016, no CTG Herança Gaúcha, de Chapecó – SC, foi realizada a festa de encerramento das atividades, uma noite com muitas atividades lúdicas e brincadeiras para as crianças do CTG, e um jantar de confraternização para os pais e demais membros. Idealizada e promovida pelo departamento cultural do CTG e seu prendado, juntamente com os membros do prendado do MTG-SC que são filiados ao CTG Herança Gaúcha, foi uma grande oportunidade de colocar em prática um trabalho conjunto dos dois prendados: os projetos “Natal Solidário” e “Projeto de incentivo à leitura”.


PROJETO DE INCENTIVO À LEITURA:

Recebemos, através da integrante do CTG Herança Gaúcha, Joseane Loureiro, livros arrecadados pelo SEST-SENAT, que estavam sendo distribuídos para a população Chapecoense. Esses livros trazidos por ela, no entanto, haviam sobrado, e estavam parados. Então foi feita a distribuição para todos os integrantes do CTG, desde gibis e literatura infantil para agradar as crianças, até o que capturasse o interesse dos adultos.Compreendemos que a leitura é uma das mais importantes ferramentas para o desenvolvimento do ser, e o CTG, enquanto entidade cultural, e prendados, como representantes do tradicionalismo, também têm como obrigação incentivar o ato. Com a leitura podemos viajar e conhecer sem sair do lugar, aprender e desenvolver diversas áreas do nosso conhecimento. Agradecemos imensamente a doação dos livros e tentaremos manter esse incentivo no futuro. Para captar a atenção das crianças, distribuímos os livros juntamente ao Papai Noel, que chegou no fim da festa, e distribuía doces. Dissemos para todos que, depois de lerem, deveriam trocar os livros e gibis com os amigos do CTG, para assim, todos poderem ler o máximo de obras possíveis. 

PROJETO NATAL SOLIDÁRIO

“Na vida, a gente passa por três fases:


a primeira, quando acreditamos no Papai Noel;


a segunda, quando deixamos de acreditar;


e a terceira, quando nos tornamos Papai Noel.”


É impossível chegar a uma data como o Natal sem olhar ao nosso redor e refletir sobre o nosso irmão. Nessa época, o espírito de solidariedade revigora e lembramos que ninguém é tão rico que não precise de algum tipo de ajuda, nem tão pobre que não possa ajudar. Logo, tivemos como objetivo arrecadar na festa de fim de ano do CTG Herança Gaúcha donativos de todos os tipos, mas principalmente brinquedos e roupas, que mais tarde doaríamos a algumas instituições de Chapecó.

Na Carta de Princípios atualmente em vigor, aprovada no VIII Congresso Tradicionalista, em 1961, no CTG “O Fogão Gaúcho” em Taquara, e fixa os objetivos do Movimento Tradicionalista Gaúcho, se destaca:

IV – Facilitar e cooperar com a evolução e o progresso, buscando a harmonia social, criando a consciência do valor coletivo, combatendo o enfraquecimento da cultura comum e a desagregação que daí resulta.

IX – Lutar pelos direitos humanos de Liberdade, Igualdade e Humanidade.


Logo, cabe a todo e cada tradicionalista lutar, na medida do possível, por mais inclusão e harmonia social, direitos de igualdade e humanidade.

Então, nos reunimos novamente no dia 19 de dezembro para a contagem de donativos. E mesmo com apenas uma noite de arrecadação, ficamos muito felizes com a grande quantidade arrecadada, o que demonstra a solidariedade de todos os participantes.

Foram arrecadados:

111 brinquedos;

325 peças de vestuário (111 adultas e 214 infantis);

26 Kg de alimentos;

20 pacotes de fraldas;

Ficamos muito felizes com o resultado e pretendemos repetir o projeto nos próximos anos, possivelmente ampliando o tempo de arrecadação.

VISITA À CASA LAR:

“O Serviço de Acolhimento provisório oferecido em unidades residenciais, nas quais pelo menos uma pessoa ou casal trabalha como cuidador residente – em uma casa que não é a sua – prestando cuidados a um grupo de crianças e adolescentes afastados do convívio familiar por meio de medida protetiva de abrigo, em função de abandono ou cujas famílias ou responsáveis encontrem-se temporariamente impossibilitados de cumprir sua função de cuidado e proteção. O objetivo da Casa lar é o oportunizar as crianças e adolescentes que necessitem do espaço protetivo a vivência de um modelo de relações que possibilite o resgate da auto-estima, hábitos e atitudes de autonomia e de interação social com as pessoas da comunidade, e a construção de um projeto de vida.”

Orientações Técnicas: Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes – Brasília, Junho de 2009


BRASIL. Lei nº 12.010, de 03 de agosto de 2009.


BRASIL. Resolução (CNAS) Nº 109, de 11 de novembro de 2009;


Logo, a Casa Lar era o local ideal para destinarmos nossas doações. Porém, apenas doar roupas e brinquedos (os quais muitas das crianças nesses locais nunca possuíram) não era o suficiente. A carência dos moradores não é só financeira. De fato, essa é a menor das carências. O principal objetivo da nossa visita para entrega dos donativos, era prover a atenção que essas crianças e adolescentes não tinham, ao proporcionarmos uma tarde divertida e estarmos lá para elas. Além disso, é muito bom para os jovens do prendado (mirins e juvenis) se depararem com uma outra realidade, tão diferente da que vivem, um choque que pode gerar crescimento.

Além do recebimento de brinquedos  e roupas, pudemos proporcionar um lanche e algumas regalias incomuns para eles, como doces. A brincadeira correu solta com bolas, ou mesmo com os brinquedos recebidos, esconde-esconde e pega-pega. As prendas, habilidosas como são com cabelos, unhas e maquiagem, proporcionaram para as jovens do local uma tarde de embelezamento, promovendo uma conexão diferente de confiança com as meninas, e ajudando em sua auto-estima. A 2ª Prenda Veterana  do CTG Herança Gaúcha, Silvana Furlanetto, usou de seu dom e profissão de cabeleireira para doar cortes de cabelos para todas as crianças e jovens da casa, o que foi recebido com euforia.

Mas como sempre, tudo acabou em música e chula. No início da noite, houve uma roda de violão e até um “ensaio” de chula pelos peões Anderson Servo (1 ° Peão Mirim do MTG-SC) e Cleyson Vitor (2° Peão Juvenil do CTG Herança Gaúcha), o que resultou em uma vontade da parte das crianças do abrigo de aprenderem a dançar e fazerem uma visita ao CTG Herança Gaúcha, que será realizada nos próximos meses, quando voltarem as atividades normalmente.

Ao final, constatamos que mais aprendemos do que ajudamos. A gratidão honesta e a humildade de todos os integrantes do abrigo, principalmente da Dona Pierina, que cuida de todos, nos deixou com sensação de dever cumprido e ao mesmo tempo de poder fazer mais. Com certeza esse projeto e nossa convivência não termina por aqui.